MENSAGENS




O regresso dos cidadãos celestiais à Casa do Pai

Data: 29/01/2017 Tempo: 00:43:05





 

O REGRESSO DOS CIDADÃOS CELESTIAIS À CASA DO PAI

 

Dr. William Soto Santiago

Domingo, 29 de Janeiro de 2017

Cayey - Porto Rico

 

Bom dia a todos que estão presentes aqui e a todos que estão nos diferentes lugares, e também boa tarde aos que estão em lugares que já passaram do meio-dia. E uma saudação muito especial também ao Missionário Miguel Bermúdez Marín lá na Guatemala, onde se encontra nesta ocasião.

 

E uma saudação também para todos os irmãos e irmãs nas diferentes nações, que Deus abençoe a todos, que Deus nos ajude a estarmos preparados para a Vinda do Senhor para a nossa transformação e arrebatamento ou rapto de todos os escolhidos de Deus, que são a Família de Deus, composta pelos crentes em Cristo das diferentes Eras através do tempo.

 

No Nome do Senhor Jesus Cristo abençoe a todos, os prospere espiritualmente e materialmente, que nesta ocasião nos abra as Escrituras para compreendermos e nos abra o entendimento para vermos e entendermos tudo o que Ele tenha para nós nesta ocasião, no Nome do Senhor Jesus Cristo. Amém.

 

Para esta ocasião buscamos na Escritura, no capítulo 25 de Levítico e também no capítulo 61 de Isaías.

 

Em Levítico no capítulo 25, nos versículos 8-13, diz assim:

 

“Também contarás sete semanas de anos, sete vezes sete anos; de maneira que os dias das sete semanas de anos te serão quarenta e nove anos.

9  Então no mês sétimo, aos dez do mês, farás passar a trombeta do jubileu; no dia da expiação fareis passar a trombeta por toda a vossa terra,

10  E santificareis o ano quinquagésimo, e apregoareis liberdade na terra a todos os seus moradores; ano de jubileu vos será, e tornareis, cada um à sua possessão, e cada um à sua família.

11  O ano quinquagésimo vos será jubileu; não semeareis nem colhereis o que nele nascer de si mesmo, nem nele vindimareis as uvas das separações,

12  Porque jubileu é, santo será para vós; a novidade do campo comereis.

13  Neste ano do jubileu tornareis cada um à sua possessão”.

 

Em Isaías no capítulo 61, versículos 1-3, diz:

 

O ESPÍRITO do Senhor DEUS está sobre mim; porque o SENHOR me ungiu, para pregar boas novas aos mansos; enviou-me a restaurar os contritos de coração, a proclamar liberdade aos cativos, e a abertura de prisão aos presos;

2  A apregoar o ano aceitável do SENHOR e o dia da vingança do nosso Deus; a consolar todos os tristes;

3  A ordenar acerca dos tristes de Sião que se lhes dê glória em vez de cinza, óleo de gozo em vez de tristeza, vestes de louvor em vez de espírito angustiado; a fim de que se chamem árvores de justiça, plantações do SENHOR, para que ele seja glorificado”.

 

Que Deus abençoe nossas almas com a Sua Palavra e nos permita entendê-la.

 

O nosso tema para esta ocasião é: “O REGRESSO DOS CIDADÃOS CELESTIAIS Á CASA DO PAI”, ou seja, à Casa do nosso Pai Celestial.

 

Tudo o que Deus fará neste planeta Terra está representado nas festas judaicas, tudo está codificado aí e, consequentemente, para se entender o Programa de Deus para o tempo em que a pessoa vive, ela precisa ver em que tempo dessas festas, e quais dessas festas estão sendo materializadas nesse tempo em que essa pessoa está vivendo. Por conseguinte, é importante conhecermso as festas hebraicas, festas judaicas, porque aí estão selados os mistérios de Deus e a Sua Obra que Ele realizaria no meio de Israel e no meio da raça humana.

 

Esta Festa do Ano Cinquenta, como já vimos, é tão importante a tal grau que cada um retornará à sua família, cada um será libertado, retornará à sua família, e seus bens também retornarão à essa pessoa que recebeu a bênção da liberação. Podemos ver que esse Ano Cinquenta também está representado no Dia Cinquenta, que é o Dia de Pentecostes.

 

Recordemos que pentecostes significa ‘cinquenta’: Ano do Pentecostes, Ano Cinquenta. E assim como houve um Pentecostes lá em Israel, aonde se abriu esse ciclo de Pentecostes no aposento alto, daí esteve-se vivendo no tempo de Pentecostes, tempo de bênção, de liberação para o ser humano por intermédio de Cristo o nosso Salvador.

 

É um ciclo divino que está marcado como a “Dispensação da Graça”, onde Deus estende o Seu amor e a Sua graça a todo aquele que O recebe como Salvador e, por conseguinte, recebe a bênção de obter o perdão dos seus pecados, de ser limpo com o Sangue de Cristo, de ser batizado na água no Seu Nome e Cristo batizá-lo com o Espírito Santo e Fogo, e produzir o novo nascimento na pessoa.

 

Abriu-se esse ciclo divino de Pentecostes no aposento alto a aproximadamente dois mil anos atrás na cidade de Jerusalém, e a bênção de Pentecostes continuou durante a Dispensação da Graça com a Igreja do Senhor Jesus Cristo.

 

Toda a Dispensação da Graça está dentro do ciclo divino do Dia de Pentecostes e há grandes bênçãos nesse ciclo divino, onde Deus chama a todos os que têm os seus nomes escritos no Livro da Vida do Cordeiro no Céu.

 

Esses são os escolhidos de Deus, os eleitos de Deus escritos no Livro da Vida do Cordeiro no Céu, desde antes da fundação do mundo. Esses são os que apareceriam na Terra como a Família de Deus, os filhos e filhas de Deus, que viriam a uma etapa de prova aqui na Terra.

 

E nos perguntamos: Se não tivesse ocorrido o problema lá no Jardim do Éden, aonde Adão e Eva pecaram, o que teria sucedido? Nós já estaríamos na Terra com corpos eternos, imortais e glorificados a aproximadamente seis mil anos atrás.

 

Mas estava no Programa de Deus que tudo sucedesse, porque em Deus estão os atributos de Curador, estão os atributos de Provedor. Ele se proveu do sacrifício para a solução ao problema dos Seus filhos, os quais viriam mais adiante, na Dispensação da Graça, para terem um sacrifício pelo pecado: o Sacrifício de Cristo na Cruz do Calvário.

 

Recordem que nós não criticamos Adão e Eva, porque é um Programa Divino que esteve se realizando desde o tempo antigo, o qual estava na mente de Deus. E nós estávamos na mente de Deus como atributos do pensamento divino para virmos à Terra e sermos manifestados na Terra.

 

Essas são as ovelhas que o Pai deu a Cristo para que as busque e lhes dê a vida eterna e dentre todas essas ovelhas, o Senhor Jesus Cristo é o Primogênito, é o Principal desse aprisco e rebanho de Deus.

 

Cristo veio por elas a dois mil anos atrás e deu a Sua vida por Suas ovelhas que o Pai lhe deu para que as buscasse e lhes desse a vida eterna. E é um grande privilégio que Deus nos tivesse em Sua mente eternamente, para sermos manifestados na Terra neste tempo final.

 

E nos correspondeu o tempo mais importante, o mais glorioso de todos os tempos, porque este é o tempo para um Novo Pentecostes, já não um Dia de Pentecostes sendo materializado, mas um Ano de Pentecostes sendo materializado, sendo atualizado, feito realidade na Igreja do Senhor Jesus Cristo e para o povo hebreu.

 

Para se chegar ao Dia de Pentecostes transcorriam sete sábados, por conseguinte, sete semanas, que somadas eram quarenta e nove dias e o dia cinquenta era o Dia de Pentecostes onde cento e vinte pessoas crentes em Cristo no aposento alto lá em Jerusalém receberam o Espírito.

 

E, agora, esse ciclo de cinquenta dias numa escala mais alta é manifestado onde transcorrem sete semanas de anos, que são quarenta e nove anos e, depois, o Ano Cinquenta é o Ano do Jubileu.

 

Ou seja, o Ano de Pentecostes está numa escala mais alta do que o Dia de Pentecostes e será para este tempo final que terá cumprimento o Ano de Pentecostes.

 

Nos dias de Jesus, Ele leu em Isaías no capítulo 61, do versículo 1 em diante, onde diz:

 

“O ESPÍRITO do Senhor DEUS está sobre mim; porque o SENHOR me ungiu, para pregar boas novas aos mansos; enviou-me a restaurar os contritos de coração, a proclamar liberdade aos cativos, e a abertura de prisão aos presos;

2  A apregoar o ano aceitável do SENHOR ”...

 

E em São Lucas no capítulo 4, Ele se deteve e, por que não continuou lendo? Porque Ele veio para proclamar o ano da boa vontade de Deus, no qual Deus tem misericórdia das pessoas que O recebem como único e suficiente Salvador.

 

Se Ele continuasse lendo, a seguir diria: “… E o dia de vingança do nosso Deus”. Porque o dia de vingança do nosso Deus será pregado neste tempo final, no Ano do Jubileu e, assim, se cumprirá a Escritura correspondente a este tempo final.

 

Portanto, Ele virá neste tempo final proclamando o dia de vingança do nosso Deus, ou seja, anunciando os juízos divinos que há de vir sobre a raça humana neste tempo final, que é o Último Dia, o último milênio. “Porque um dia diante do Senhor é como mil anos, e mil anos como um dia”. [Segunda de Pedro 3:8].

 

Portanto, estamos enfrentando o Ano do Jubileu, onde há grandes bênçãos para mim, e para quem mais? Para cada um de vocês também.

 

Aí nesse ciclo divino está a Segunda Vinda de Cristo, está que Ele virá como Leão da tribo de Judá, como Rei de reis e Senhor de senhores. E virá, trará aos mortos em Cristo que partiram nas Eras passadas e os do nosso tempo que partiram. Ele os trará em Sua Vinda, os ressuscitará em corpos glorificados, aparecerão aos crentes que estarão vivos neste tempo, no ciclo do Ano do Jubileu, que tem grandes bênçãos no campo espiritual e físico para todos os crentes em Cristo.

 

A passagem que está antes desse ciclo do Ano do Jubileu são as sete semanas de anos, que são quarenta e nove anos e no quadragésimo nono ano (que é um sábado do ano) a seguir se junta e se une o ano cinquenta, o Ano do Jubileu.

 

Esse Ano do Jubileu contém o mistério ou o segredo do que Deus estará fazendo neste tempo final, para bênção de todos os crentes em Cristo do nosso tempo e das Eras passadas. Aí será onde ocorrerá a transformação.

 

Assim como no Dia de Pentecostes veio uma transformação interior para os crentes que estavam ali, um novo nascimento no campo espiritual, recebendo o Espírito de Deus, durante toda a Dispensação da Graça, essa é a grande bênção: receber o Espírito de Deus e, por conseguinte, receber o novo nascimento, o qual coloca a pessoa no Reino de Deus, na Casa de Deus, como um filho ou uma filha de Deus.

 

E para o Ano do Jubileu está a promessa da ressurreição dos mortos em Cristo, da transformação dos que vivemos e também a pregação do dia de vingança do nosso Deus, onde se estará anunciando o juízo divino que cairá sobre a raça humana durante a grande tribulação.

 

Foi por isso que, quando Jesus leu no capítulo 61 de Isaías, se deteve onde dizia: “Para pregar o ano da boa vontade do Senhor”. Não continuou lendo, porque na continuação dizia: “E o dia de vingança do nosso Deus”.

 

E, por conseguinte, o dia de vingança do nosso Deus é para ser pregado, para ser anunciado neste tempo final pelo Ungido que Deus tiver para este tempo final, para proclamar o dia de vingança do nosso Deus, o qual corresponde aos ministérios de Elias e Moisés, ministérios das Duas Oliveiras, dos quais Cristo falou em Suas pregações, em Seus ensinamentos, e até mesmo lá no Monte da Transfiguração, onde mostrou como será a Vinda do Reino de Deus.

 

E o Filho do Homem vindo no Seu Reino apresentou nessa visão a Jesus e de cada lado de Jesus a Moisés, de um lado e Elias do outro lado, porque essa é a ordem da Vinda do Senhor.

 

Em São Mateus no capítulo 16, versículos 27 e 28, diz que Ele virá com os Seus Anjos. Ele virá com estes ministérios de Moisés e de Elias no tempo final. Essa é a ordem para a Vinda do Senhor, como Cristo mostrou lá no Monte da Transfiguração. Diz:

 

Porque o Filho do homem virá na glória de seu Pai, com os seus anjos; e então dará a cada um segundo as suas obras.

28  Em verdade vos digo que alguns há, dos que aqui estão, que não provarão a morte até que vejam vir o Filho do homem no seu reino”.

 

E logo os levou a um monte alto, no Monte da Transfiguração, Se transfigurou diante deles, o Seu rosto resplandeceu como o sol, Seus cabelos se fizeram brancos como a branca lã e Moisés e Elias apareceram um de cada lado de Jesus.

 

Em São Mateus no capítulo 24, nos versículos 30 e 31, Cristo disse:

 

30  Então aparecerá no céu o sinal do Filho do homem; e todas as tribos da terra se lamentarão, e verão o Filho do homem, vindo sobre as nuvens do céu, com poder e grande glória.

31  E ele enviará os seus anjos com rijo clamor de trombeta, os quais ajuntarão os seus escolhidos desde os quatro ventos, de uma à outra extremidade dos céus”.

 

Ele juntará aos escolhidos, estes escolhidos serão os cento e quarenta e quatro mil hebreus que serão chamados neste tempo final, doze mil de cada tribo, conforme nos diz no capítulo 7 do Apocalipse, do versículo 1 em diante. Aí está o Anjo que virá com o Selo do Deus vivo, para chamar, juntar e selar aos cento e quarenta e quatro mil hebreus, doze mil de cada tribo.

 

Ou seja, os ministérios de Moisés e Elias terão esse trabalho no tempo final para chamarem e juntarem aos escolhidos dentre o povo hebreu, que serão os cento e quarenta e quatro mil, doze mil de cada tribo.

 

Ou seja, eles têm da parte de Deus uma grande bênção prometida para este tempo final. Terão uma posição muito importante no Reino de Deus e na administração do Reino de Deus na Terra durante o Reino Milenar.

 

Quando chegar o momento, Deus lhes abrirá as Escrituras e o entendimento para compreenderem e receberem a Palavra correspondente a este tempo final, serão juntados e preparados para ficarem na lista dos judeus escolhidos de Deus desde antes da fundação do mundo.

 

As Duas Oliveiras, os ministérios de Moisés e de Elias estarão ligados aos cento e quarenta e quatro mil judeus ou hebreus neste tempo final. Será por meio dos ministérios de Moisés e Elias que Deus falará com os judeus e lhes abrirá as Escrituras e o entendimento para compreenderem. E será o quinto Elias.

 

Quando o quarto Elias quis ir aos judeus, Deus o proibiu, e lhe disse que teria ser de acordo ao Apocalipse capítulo 11, que são Moisés e Elias.  Portanto, há uma grande bênção para os judeus neste tempo final.

 

Quando os virmos recebendo a Palavra para este tempo final, escutando a Palavra (onde se estará proclamando o dia de vingança do nosso Deus, e estará  manifestando o Ano de Deus, o Ano do Jubileu), recordem: já chegamos ao final e, depois, faltará pouco para a ressurreição dos mortos em Cristo e a nossa transformação dos que vivemos.

 

Porque os escolhidos do Corpo Místico de Cristo, da Sua Igreja não terão de passar pela grande tribulação, senão os cento e quarenta e quatro mil que passarão pela grande tribulação. Eles não pertencem a Igreja-noiva, mas eles são os escolhidos dentre o povo judeu, do povo hebreu, e têm a sua parte no Reino de Deus.

 

E neste Ano de Jubileu, que é o que corresponde para depois da Festa do Dia de Pentecostes, do Dia cinquenta, essa festa segue com a sua bênção até que seja selado até o último escolhido no Reino de Deus e, logo em seguida, começará o Ano de Pentecostes ou Ano Cinquenta.

 

A cada cinquenta anos o Ano Cinquenta era de liberação. Todas as propriedades que tinham vendido ou que tinham perdido por alguma causa retornavam ao dono original. Ao retornar ao dono original, então, se marcava o preço da venda de uma casa conforme ao tempo que faltava para o Ano do Jubileu.

 

Se o Ano do Jubileu estivesse longe do momento da venda de uma casa, a casa e o terreno custariam mais; se faltasse um ano para o Ano do Jubileu, a propriedade quase nada valia, porque teriam de devolvê-la ao dono original de quem tinham comprado. Ou seja, quase ninguém comprava no último ano, porque não daria tempo de semear e colher.

 

Assim nós nos encontramos num ciclo divino muito, mas muito importante, onde estão escondidos os mistérios de Deus correspondentes a este tempo final, junto com as outras festas que correspondem a este tempo final. E isto marcará o tempo para O REGRESSO DOS CIDADÃOS CELESTIAIS Á CASA DO PAI Celestial, para estarem na Ceia das Bodas do Cordeiro.

 

E isto será no Céu, enquanto passem pela grande tribulação e pelos juízos divinos que cairão sobre a Terra, porém, os escolhidos, os cidadãos celestiais estarão com Cristo em outra dimensão e com os anjos de Deus nessa grande festa no Céu, que durará três anos e meio onde o Messias-Príncipe será investido como Rei, para sentar-Se no Trono de Davi e governar o Reino de Davi.

 

Há uma grande bênção para Israel neste tempo final e a maior é para a Igreja do Senhor Jesus Cristo, para os escolhidos ou aos escritos no Livro da Vida do Cordeiro no Céu.

 

Esse é o tempo para o nosso regresso à Casa do nosso Pai celestial.

 

O REGRESSO DOS CIDADÃOS CELESTIAIS À CASA DO NOSSO PAI CELESTIAL”.

 

Se houver alguma pessoa que ainda não recebeu Cristo como Salvador, pode fazer isso  nestes momentos e estarei orando por você, para que Cristo o receba no Seu Reino, o perdoe e o limpe de todo pecado com o Seu Sangue; você será batizado na água no Seu Nome, Cristo o batizará com o Espírito Santo e Fogo, e produzirá o novo nascimento em você.

 

Dos que estão aqui presentes que ainda não receberam Cristo, podem fazê-lo nestes momentos, e estaremos orando por vocês e dos que estão em outros países também podem passar aí na frente, para que fiquem incluídos na oração que estaremos fazendo dentro de alguns minutos.

 

Vamos ficar em pé para orarmos pelas pessoas que vieram aos Pés de Cristo nesta ocasião nos diferentes países.

 

Este é o tempo onde são chamados os últimos escolhidos de Deus do Corpo Místico de Cristo e também os escolhidos dentre o povo hebreu, que são cento e quarenta e quatro mil hebreus judeus, doze mil de cada tribo.

 

Com nossos rostos inclinados e nossos olhos fechados:

 

Pai celestial, eu venho a Ti no Nome do Senhor Jesus Cristo, trazendo comigo a todas estas pessoas que estão recebendo Cristo como único e suficiente Salvador aqui e em outros países.

 

Rogo-Te que as recebas no Teu Reino, limpe-as de todo pecado com o Teu Sangue e batize-as com o Espírito Santo e Fogo, logo depois de serem batizadas na água no Teu Nome.

 

Eu Te rogo, Oh Pai celestial, no Nome do Senhor Jesus Cristo. Amém.

 

Agora, os que vieram aos Pés de Cristo, repitam comigo:

 

Senhor Jesus Cristo, escutei a pregação do Teu evangelho e a Tua fé nasceu em meu coração, creio em Ti com toda a minha alma e creio na Tua Primeira Vinda. Creio na Tua morte na Cruz do Calvário como o Sacrifício da Expiação pelos nossos pecados e creio no Teu Nome como o único nome debaixo do Céu, dado aos homens, em que nós podemos ser salvos.

 

Reconheço que sou pecador e necessito um Salvador. Dou testemunho público da Tua fé em mim, da minha fé em Ti e Te recebo como meu único e suficiente Salvador.

 

Rogo-Te que perdoes meus pecados, que me limpes de todo pecado com o Teu Sangue, que me batizes com o Espírito Santo e Fogo, logo depois que eu seja batizado na água no Teu Nome, e que produzas o novo nascimento em mim.

 

Eu Te rogo no Teu Nome Eterno e glorioso: Senhor Jesus Cristo. Amém.

 

Agora, os que vieram aos Pés de Cristo, perguntarão: “Quando podem me batizar?”.

 

Porquanto, vocês creram de todo coração, todos podem ser batizados; que Cristo os batize com o Espírito Santo e Fogo, que produza o novo nascimento em vocês e nos veremos eternamente no Reino de Cristo o nosso Salvador.

 

Todos os que receberam Cristo aqui nestes momentos e os que estão em outros países também podem ser batizados.

 

O batismo na água é tipológico. Quando a pessoa é submersa nas águas batismais, simbolicamente está sendo sepultada. Quando ela vem aos Pés de Cristo, está recebendo a grande bênção de morrer espiritualmente e quando é submersa nas águas batismais, simbolicamente está sendo enterrado o velho homem e quando é levantada das águas batismais, está ressuscitando à vida eterna e quando ressuscita está ressuscitando à vida eterna no Reino de Cristo.

 

O batismo na água é simbólico, a água não tira os pecados, senão o Sangue de Cristo. Pelo qual, vocês podem ser batizados; que Cristo os batize com o Espírito Santo e Fogo, que produza o novo nascimento em vocês, e nos veremos eternamente no Reino de Cristo o nosso Salvador.

 

Que todos continuem desfrutando uma tarde feliz, repleta das bênçãos de Cristo e nos veremos na próxima sexta-feira e no próximo domingo.

 

O REGRESSO DOS CIDADÃOS CELESTIAIS À CASA DO PAI”.