MENSAGENS




José provendo alimento para gentios e para hebreus

Data: 11/03/2017 Tempo: 00:37:49





 

JOSÉ PROVENDO O ALIMENTO PARA

GENTIOS E PARA HEBREUS

 

Dr. William Soto Santiago

Sábado, 11 de Março de 2017

Austin – Texas – Estados Unidos

 

Boa tarde amados amigos, irmãos e Ministros aqui presentes e aos que estão em diferentes países junto aos demais Ministros e suas congregações. E também ao Missionário Miguel Bermúdez Marín lá em La Florida, em Santiago do Chile, junto ao Ministro de lá, Patrício Lara, e aos demais Ministros lá do Chile.

 

Todos vocês recebam as minhas saudações, que Deus os abençoe grandemente nesta tarde, nos abra o entendimento e as Escrituras para compreendê-las, no Nome do Senhor Jesus Cristo. Amém.

 

Para mim é um grande privilégio estar com vocês nesta ocasião, para saudá-los e, por alguns momentos, vermos sobre a vida de José, filho de Jacó, o penúltimo filho de Jacó e primeiro filho através de sua mulher amada.

 

Isto foi quando José teve o encontro com seus irmãos lá no Egito, onde José era governador no Egito, e estava encarregado do alimento para o povo no tempo da fome que houve lá no Egito.

 

E a Palavra do Senhor diz assim:

 

ENTÃO José não se podia conter diante de todos os que estavam com ele; e clamou: Fazei sair daqui a todo o homem; e ninguém ficou com ele, quando José se deu a conhecer a seus irmãos.

2  E levantou a sua voz com choro, de maneira que os egípcios o ouviam, e a casa de Faraó o ouviu.

3  E disse José a seus irmãos: Eu sou José; vive ainda meu pai? E seus irmãos não lhe puderam responder, porque estavam pasmados diante da sua face.

4  E disse José a seus irmãos: Peço-vos, chegai-vos a mim. E chegaram-se; então disse ele: Eu sou José vosso irmão, a quem vendestes para o Egito.

5  Agora, pois, não vos entristeçais, nem vos pese aos vossos olhos por me haverdes vendido para cá; porque para conservação da vida, Deus me enviou adiante de vós.

6  Porque já houve dois anos de fome no meio da terra, e ainda restam cinco anos em que não haverá lavoura nem sega.

7  Pelo que Deus me enviou adiante de vós, para conservar vossa sucessão na terra, e para guardar-vos em vida por um grande livramento.

8  Assim não fostes vós que me enviastes para cá, senão Deus, que me tem posto por pai de Faraó, e por senhor de toda a sua casa, e como regente em toda a terra do Egito.

9  Apressai-vos, e subi a meu pai, e dizei-lhe: Assim tem dito o teu filho José: Deus me tem posto por senhor em toda a terra do Egito; desce a mim, e não te demores;

10  E habitarás na terra de Gósen, e estarás perto de mim, tu e os teus filhos, e os filhos dos teus filhos, e as tuas ovelhas, e as tuas vacas, e tudo o que tens.

11  E ali te sustentarei, porque ainda haverá cinco anos de fome, para que não pereças de pobreza, tu e tua casa, e tudo o que tens.

12  E eis que vossos olhos, e os olhos de meu irmão Benjamim, vêm que é minha boca que vos fala.

13  E fazei saber a meu pai toda a minha glória no Egito, e tudo o que tendes visto, e apressai-vos a fazer descer meu pai para cá.

14  E lançou-se ao pescoço de Benjamim seu irmão, e chorou; e Benjamim chorou também ao seu pescoço.

15  E beijou a todos os seus irmãos, e chorou sobre eles; e depois seus irmãos falaram com ele”. [Gênesis 45:1]

 

Esta é a história do encontro e da revelação de José com e aos seus irmãos lá no Egito.

 

José é tipo do Messias. José é a pessoa na qual não se encontraram faltas ou falhas humanas. José, o amado do seu pai, o primeiro filho da esposa amada de Jacó.

 

Portanto, em José Cristo se refletiu, e nesta passagem O refletiu revelando-se a seus irmãos, tipo e figura do que fará neste tempo final.

 

Encontrado entre os gentios, recordem que representava a Primeira e a Segunda Vinda de Cristo. O correspondente à Primeira Vinda já se cumpriu, e falta o que corresponde à Segunda Vinda do Senhor.

 

Na Primeira Vinda José esteve vivendo com eles lá na Casa de Israel. Na Segunda Vinda, tipificado lá no Egito entre os gentios, o encontramos já como governante, como governador e não reconhecido pelos seus irmãos, porque José se parecia com um gentio, com roupas gentias, cabelo estilo gentio ou com o corte de cabelo (ou como fosse) no estilo gentio, a sua aparência como um gentio, e falando outro idioma.

 

Portanto, quando se revelou a seus irmãos foi entre os gentios, já como príncipe e como governante, como governador e vemos que ele lhes disse: “Eu sou José”.

 

Ou seja, primeiramente eles não o reconheciam, porque tinha um nome gentio: Zafenate-Paneia que o Faraó lhe tinha colocado. Aí o Faraó representava a Deus colocando José ao seu lado, Deus colocando Cristo ao Seu lado, assentando-O à direita do Seu Trono, ou seja, lhe dando o poder do Reino para governar em Nome de Deus.

 

Por isso, Cristo disse que Ele se sentaria à direita de Deus e se sentaria no Trono de Deus. Em São Mateus, no capítulo 26, no versículo 64, diz:

 

Disse-lhe Jesus: Tu o disseste; digo-vos, porém, que vereis em breve o Filho do homem assentado à direita do Poder, e vindo sobre as nuvens do céu”.

 

Aqui Cristo disse que se sentará à direita de Deus. Estevão O viu, e quando foi apedrejado disse que via o Senhor sentado à direita de Deus. [Atos 7:55-56]

 

E no capítulo 3 do Apocalipse, no versículo 21, diz:

 

Ao que vencer lhe concederei que se assente comigo no meu trono; assim como eu venci, e me assentei com meu Pai no seu trono”.

 

Vejam como Cristo disse que Se sentou com o Pai no Seu Trono e que nessa mesma forma Ele assentará ao vencedor no Seu Trono.

 

Ou seja, o Pai Celestial assentou Cristo com Ele no Trono Celestial e, por isso, quando Cristo ressuscitou disse: “Todo poder me é dado no Céu e na Terra”.  [São Mateus 28:18] Ou seja, quem tem o poder é quem está sentado no Trono. E aqui Ele disse: “Ao que vencer lhe concederei que se assente comigo no meu Trono”.

 

Ele se sentou no Trono do Pai, porém, agora o Trono de Cristo é o Trono de Davi, o Trono terreno para o governo terreno ou o Reino terreno, que será restaurado como Reino de Davi e Trono de Davi, no qual José se assentará no Último Dia.

 

Recordem que José representava a Cristo na Sua Primeira e na Segunda Vinda; o Trono de Davi será restaurado e o Reino de Davi será restaurado na Terra, e governará sobre o povo hebreu e sobre todas as nações. E isso será o José de Deus do Último Dia, tipificado em José, o filho de Jacó, o qual tem provido alimento espiritual para a alma de todos os crentes do Cristianismo e para todo ser humano que deseja escutar o Evangelho de Cristo.

 

Esteve armazenando alimento espiritual através das diferentes etapas da Sua Igreja, esteve dando alimento espiritual e, sobretudo, no tempo final. Mas virá um tempo de fome espiritual e, para esse tempo, Israel terá fome espiritual e haverá um José que terá alimento espiritual armazenado para Israel.

 

O José do Último Dia é a manifestação final de Cristo no meio da Sua Igreja, alimentando a Sua Igreja com o Trigo espiritual, o Pão espiritual e, logo depois, ao povo hebreu, que dirá: “Este é quem nós estamos esperando” e, por conseguinte, verá a José no meio dos gentios, no meio da Sua Igreja alimentando-a com o alimento espiritual correspondente ao tempo final.

 

A Escritura nos fala em Amós no capítulo 8, versículos 11 e 12, que haverá fome sobre a Terra, não fome de pão, nem sede de água, mas de ouvir a Palavra do Senhor.

 

Eis que vêm dias, diz o Senhor DEUS, em que enviarei fome sobre a terra; não fome de pão, nem sede de água, mas de ouvir as palavras do SENHOR”.

 

Há fome física para o corpo físico, fome de alimento e sede de água física e há fome e sede espiritual para a alma e o espírito da pessoa. E o alimento espiritual é mais importante do que o alimento físico, porque se a alma e o espírito da pessoa morrerem, a pessoa que é alma vivente deixará de existir para sempre. Mas se ela pertencer ao Corpo Místico de Cristo e o seu corpo físico morrer haverá uma ressurreição, e terá um corpo físico novo e glorioso.

 

Portanto, a parte espiritual é mais importante do que a parte física, embora a humanidade tenha dado mais importância à parte física, investiu mais esforços e mais dinheiro na parte física do que na parte espiritual da alma e do espírito. Porém, o mais importante do ser humano é a sua alma, por isso, Cristo disse: “De que vale ao homem se ganhar todo o mundo, e perder a sua alma?” [São Mateus 16:26]

 

Porque a alma é o que na realidade o ser humano é: alma vivente, o espírito da pessoa é um corpo espiritual de outra dimensão e o corpo físico é um corpo desta dimensão e é temporário. Portanto, temos de dar importância maior à alma da pessoa, porque isso é o que em realidade a pessoa é: alma vivente.

 

E isso equivale e é paralelo a Deus o Pai, e o espírito da pessoa é paralelo ao Espírito de Deus, que é o Anjo do Pacto, que é o corpo angelical de Deus, assim como o corpo espiritual da pessoa é o seu espírito e o corpo físico de Deus é o corpo físico de Cristo, o qual está glorificado, paralelo ao corpo físico de cada pessoa. Tão simples assim.

 

Parece que Deus é uma trindade, porém, é um só Deus com alma, espírito e corpo, assim como o ser humano integral é alma, espírito e corpo.

 

E Cristo é o José de Deus que alimenta a nossa alma com esse alimento espiritual e nos dá o alimento espiritual para o Último Dia, onde há fome em toda a Terra, não fome de pão físico, nem de água física, mas fome de ouvir a Palavra do Senhor.

 

Pois as sete etapas ou as Eras da Igreja já transcorreram e, agora, se chegou ao tempo onde as pessoas têm fome espiritual. Mas há alimento espiritual para a alma de todas as pessoas, porque Deus tem o Seu Espírito no meio do Seu povo manifestando-Se para nos dar o alimento espiritual para nossa alma, para a preservação da vida eterna da nossa alma.

 

Vemos José provendo alimento físico, tipo do nosso José provendo alimento espiritual, para que não pereçamos espiritualmente nesta vida terrena que vivemos, e possamos viver e sermos preservados no Reino de Deus, para vivermos por toda a eternidade.

 

Assim como Cristo quando multiplicou os pães e os peixes em duas ocasiões e os mandou assentar de cinquenta em cinquenta, vemos que a Sua Igreja está distribuída em todo o mundo, de grupo em grupo, de congregação em congregação, sendo alimentados com o alimento espiritual correspondente a este tempo final.

 

É o nosso José, o nosso Senhor, Cristo na Sua manifestação final, que nos alimenta com esse alimento espiritual, com esse Trigo espiritual que foi guardado para a preservação da vida de todos os crentes.

 

Como Ministros é importante mantermos o alimento espiritual correspondente ao nosso tempo para os irmãos e é responsabilidade de cada Ministro manter os crentes bem alimentados. E cada crente bem agradecido pelo alimento espiritual e pelo trabalho que o Ministro faz para ter o alimento espiritual correspondente ao tempo que nos correspondeu viver.

 

Ter todas as facilidades correspondentes: com os equipamentos em que se escute claramente, o melhor que possa ser para que o áudio seja o melhor, e a imagem das telas sejam da melhor qualidade. Sempre queremos o melhor para os crentes, assim como Deus quer o melhor para todos nós.

 

E sempre trabalhando na Obra do Senhor. Não sabemos quando se completará o número dos escolhidos, ou se já se completou e estamos somente na etapa de preparação para sermos transformados, pois, de um momento a outro ocorrerá a nossa transformação.

 

Estamos num tempo muito, mas muito importante. Não falta muito tempo para a ressurreição dos mortos em Cristo, não falta muito tempo para Cristo sair do Trono de Intercessão e Se apresentar ante o Pai, e receber o Título de Propriedade para fazer a reclamação de tudo o que Ele redimiu com o Seu Sangue derramado na Cruz do Calvário.

 

E quando se completar esse tempo, Ele se converterá no Leão da tribo de Judá, Rei de reis, Senhor de senhores, e Juiz de toda a Terra. Tomará o Título de Propriedade e fará a Sua reclamação: trará o Título de Propriedade a Sua Igreja na Terra, o entregará a um homem, a um Profeta que o comerá, e lhe dirá: “Coma o Livro”, e o comerá, será doce na sua boca, mas amargo no seu ventre e lhe dirá: “É necessário que profetizes outra vez sobre muitos povos, nações e línguas”. Apocalipse, capítulo 10, versículos 1-11.

 

E no capítulo 11, diz que são as Duas Oliveiras que profetizarão por mil e duzentos e sessenta dias. Ou seja, que quem comer o Livro terá o ministério das Duas Oliveiras, e será Aquele que terá o ministério profético para profetizar sobre muitos povos, nações e línguas. Tão simples assim.

 

Aí está parte do mistério do Último Dia, aí está o mistério do Sexto Selo que são os ministérios de Moisés e de Elias, os ministérios das Duas Oliveiras. Portanto, teremos um Profeta como Elias, um Profeta como Moisés, um Profeta como Jesus, um Profeta como José, um Profeta como o rei Davi, um Profeta como Salomão.

 

Quando Jesus esteve na Terra muitos pensavam que era Elias, outros diziam: “Não, é Jeremias”, outros pensavam que era João o Batista que tinha ressuscitado. É porque a plenitude de Deus estava Nele e, por isso, o ministério que o Espírito de Deus operou em Elias estava em Jesus, o ministério que operou em João o Batista estava em Jesus.

 

Quando está em plenitude, tudo o que estava nos Profetas anteriores está nesse Profeta no qual está a plenitude de Deus, porque é o mesmo Espírito que atuou nos Profetas, porém, agora, atuando em toda a Sua plenitude. Ou seja, que pode atuar como atuou em Elias, como atuou em Moisés, como atuou em José, como atuou em Davi, como atuou em qualquer um dos demais Profetas anteriores.

 

JOSÉ PROVENDO ALIMENTO PARA HEBREUS E GENTIOS”, é o tema para esta reunião de Ministros, colaboradores e demais irmãos aqui presentes, e também os Ministros e irmãos de outros países que estão conectados com esta atividade.

 

Que Deus os abençoe e guarde, e que continuem desfrutando uma tarde feliz, repleta das bênçãos de Cristo o nosso Salvador.

 

A seguir deixo ao Reverendo João Ramos aqui conosco.

 

Recordem que o irmão Branham tinha lido a história de José e tinha pensado que se tivesse um filho lhe poria por nome José. E o Senhor lhe disse: “Terás um filho e lhe porás por nome José”. Não que José seja Cristo, porém, José é a representação da Segunda Vinda de Cristo e, por meio da irmã Meda, que foi a segunda esposa do irmão Branham, a primeira esposa foi Hope (Esperança), que partiu e a sua segunda esposa foi Meda, através da qual ele teve duas filhas e um filho.

 

O filho se chama José e quando foi revelado que teria um filho e lhe poria por nome José, ele disse a sua esposa: “Meu amor, minha esposa, José vem! José vem”! Tipo e figura do nosso José que vem: Cristo na Sua Segunda Vinda.

 

Ontem eu me confundi um pouquinho com os nomes, porém, quando escreverem já se deve colocar corretamente nos Livros o nome da primeira esposa: Hope, e da segunda esposa: Meda, para que seus nomes fiquem claros, as quais estão no Paraíso.

 

Que Deus os abençoe e guarde e que continuem desfrutando uma tarde feliz, repleta das bênçãos de Cristo o nosso Salvador.

 

JOSÉ PROVENDO O ALIMENTO PARA GENTIOS E PARA HEBREUS”.